Juíza dos EUA condenou vândalos adolescentes a lerem livros.

O crime juvenil representa um desafio para os sistemas judiciários em todo o mundo. As punições severas para o comportamento delinquente são a resposta, ou os legisladores e juízes devem se concentrar em políticas mais progressistas para ajudar os jovens a mudar suas vidas? Alejandra Rueda, promotora e procuradora-adjunta da Commonwealth em Loudoun County, Virgínia, claramente acredita na segunda.

suastica2

Escola histórica vandalizada por adolescentes. 

Dois anos atrás, Rueda se deparou com o caso de cinco garotos de 16 e 17 anos que admitiram ter pichado grafites racistas – incluindo suásticas – em uma escola histórica do século XIX.

A escola tinha um significado especial porque era a antiga Escola para alunos “de cor” Ashburn, que era frequentada por crianças negras durante a segregação no norte da Virgínia. A comunidade local ficou indignada com o ataque, mas Rueda queria saber mais sobre o porquê dos adolescentes teriam feito isso.

Ninguém estivera em apuros antes e ela percebeu que não apreciava plenamente o significado dos símbolos e da linguagem que haviam usado.

Sentença incomum
Então, ela convenceu a juíza Avelina Jacob a aceitar seu plano baseado em uma lista de 35 livros, incluindo The Color Purple, de Alice Walker, Things Fall Apart, de Chinua Achebe e To Kill a Mockingbird, de Harper Lee. Cada jovem infrator foi ordenado a escolher 12 da lista e escrever um ensaio mensal sobre cada um dos textos escolhidos.

Alguns escritores não se convenceram da eficência da sentença. Falando ao The New York Times, Marilyn Nelson, cujo poema sobre o assassinato de um adolescente negro, A Wreath for Emmett Till, não foi incluído, perguntou: “Será que as crianças castigadas com a leitura de poesia irão ler poesia de novo?”

Os meninos também tiveram que visitar o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos e a exposição do Museu Nacional de História Americana sobre a reclusão de nipo-americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Eles então completaram um ensaio final sobre o que aprenderam.

Um final feliz
O resultado? Não apenas nenhum dos rapazes reincidiu, mas o sucesso da pioneira sentença com leitura levou outros ofensores a serem tratados da mesma maneira o que levou a uma revisão do sistema de justiça juvenil no condado de Loudoun.

Rueda diz que os ensaios dos adolescentes provaram o quão pouco eles entenderam o significado do que fizeram. Embora alguns membros da comunidade local tenham protestado contra o que consideraram uma punição branda, e disseram que seria improvável que tivesse sido entregue a crianças afro-americanas, Rueda ressalta que três deles eram de minorias étnicas.

suastica3

Escola histórica foi revitalizada após vandalismo. 

Um dos jovens concordou em permitir que parte do seu ensaio final fosse publicado. Ele disse: “Eu me sinto especialmente horrível depois de escrever este artigo sobre como eu fiz alguém se sentir mal. Todos devem ser tratados com igualdade, independentemente de raça, religião ou orientação sexual. Eu farei o meu melhor para fazer com que eu nunca seja tão ignorante. ”

Rueda diz que foi inspirada por sua mãe que era bibliotecária e lhe deu os livros de Leon Uris, Mila 18 e Exodus, para ensiná-la sobre o Holocausto, quando ela participava do programa juvenil Model United Nations quando crescia no México.
“Há tantas coisas que aprendi nos livros sobre a guerra e sobre a discriminação”, disse ela à CNN. Ela concluiu que os meninos “precisavam abrir os olhos para as coisas terríveis que as pessoas fizeram em nome do gênero, raça e religião. Livros são a melhor maneira de combater isso.”

Lista completa de títulos sugeridos pela juíza na versão original em Inglês.
1. The Color Purple – Alice Walker
2. Native Son – Richard Wright
3. Exodus – Leon Uris
4. Mila 18 – Leon Uris
5. Trinity – Leon Uris
6. My Name is Asher Lev – Chaim Potok
7. The Chosen – Chaim Potok
8. The Sun Also Rises – Ernest Hemingway
9. Night – Elie Wiesel
10. The Crucible – Arthur Miller
11. The Kite Runner – Khaled Hosseini
12. A Thousand Splendid Suns – Khaled Hosseini
13. Things Fall Apart – Chinua Achebe
14. The Handmaid’s Tale – Margaret Atwood
15. To Kill a Mockingbird – Harper Lee
16. I Know Why The Caged Bird Sings – Maya Angelou
17. The Immortal Life of Henrietta Lacks – Rebecca Skloot
18. Caleb’s Crossing – Geraldine Brooks
19. Tortilla Curtain – TC Boyle
20. The Bluest Eye – Toni Morrison
21. A Hope in the Unseen – Ron Suskind
22. Down These Mean Streets – Piri Thomas
23. Black Boy – Richard Wright
24. The Beautiful Struggle – Ta-Nehisi Coates
25. The Banality of Evil – Hannah Arendt
26. The Underground Railroad – Colson Whitehead
27. Reading Lolita in Tehran – Azar Nafisi
28. The Rape of Nanking – Iris Chang
29. Infidel – Ayaan Hirsi Ali
30. The Orphan Master’s Son – Adam Johnson
31. The Help – Kathryn Stockett
32. Cry the Beloved Country – Alan Paton
33. Too Late the Phalarope – Alan Paton
34. A Dry White Season – Andre Brink
35. Ghost Soldiers – Hampton Sides

Tradução de reportagem da resvistsa do World Economic Fórum. Clique aqui e veja o original.

Anúncios

Sobre Luciano Medina Martins

Journalist, blogger, activist against the abuses of states that violate citizens' rights. I don't write about one only topic, I like to interact with many different issues. No fake news here.
Esta entrada foi publicada em Comportamento, crime, Cultura, direitos humanos, educação, literatura, New York Times com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.